sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Efeitos subversivos de um progresso que nunca vem


Talvez a maior decepção seja proporcional ao tamanho da expectativa, pois sonhos servem apenas para alimentar a insatisfação do presente de que tudo algum dia será melhor. Na maioria das vezes, sim, em sua grande maioria, isso não acontece...
Aquele que que está desapontado com o cotidiano, acaba por projetar uma aparente esperança de que os dias serão mais propícios.
Esta é a representação de uma realidade que não é aceita; onde o seu o dia a dia é uma carga tão difícil de carregar que a imaginação passa a ser uma espécie de conforto e bem-estar. A propósito, é mais fácil viver uma ilusão/sonhos, do que o que está cuspido em nossa rotina.

Tão importante quanto viver baseado em sonhos, dentro de seu discernimento, é claro, seria trabalhar o bom senso. O que é real não pode ser questionado jamais!

A realidade deveria ser intrínseca à sociedade, expondo a confiança do que é válido e descartando falsas perspectivas.
E é nesse ponto que entram os problemas comportamentais: É mais simples viver uma situação ilusória do que defrontar, de forma real, as situações em sua veracidade.
É uma maquiagem muitas vezes bem feita, outras não... percebe-se! É tão presente e corriqueiro.
Quando não bem feita, o peso trata,  exceto pelos narcisistas – , em cuspir uma falsa identidade diante dos mais próximos. E a vista grossa continua, principalmente para aqueles que mantêm uma proximidade sentimental/familiar.  

O sonho leva a crueldade para os que não o buscam; para aqueles que não se esforçam.
E o que resta? Apenas lamentações:
- Eu deveria ter feito isso, ou aquilo, agido de determinada maneira. É a lamentação dos conformistas; de quem se rende. Daqueles que dizer:

- Se a situação é essa, que seja. Mal sabem que têm o poder de mudar (e moldar) os tempos seguintes.

É um corte preciso, inconvertível, pois apesar do tempo ser relativo, este é uma das poucas coisas que não perdoam. Segundos, minutos e horas indicam o fim.
O sino que marca os ponteiros em uma catedral barroca para aqueles quem vivem em sua fictícia fantasia, apresentam uma nova forma de manipular as pessoas próximas através da encanação que enganam a ingenuidade.

O arrependimento e o remorso são as dores mais intoleráveis ao ser humano. Afinal de contas, quando lidamos com uma situação na qual não podemos reverter, exceto por aqueles que possuem a mente equilibrada, a impiedade consome a todos.

E o ser humano á assim: raramente se conforma!

    




  









Nenhum comentário:

Postar um comentário